Quando o "560" não quer dizer PRODUTO PORTUGUÊS...

As grandes renovações sociais são quase sempre feitas de "baixo para cima".
Neste momento, por reação àquilo que nos parecem agressões externas, assiste-se a um certo "tocar a reunir". Ele é vídeos a exaltar os feitos (passados e presentes de Portugal), comentadores a defender o país com unhas e dentes, e um certo movimento pró-consumo de produtos portugueses, com apelos até (!!!) ao boicote a produtos de alguns países.

É uma renovação de mentalidades? É passageiro agora que nos sentimos mais preocupados? Esperemos que seja o início de uma mudança de paradigma. Da maneira como somos e como nos vemos. E do que somos capazes de fazer.

Apesar de todas as campanhas institucionais destinadas a promover o consumo interno de produtos portugueses apenas agora vejo realmente uma procura pelo "560", o número inicial do código de barras dos produtos portugueses.

Só que "560" pode significar apenas que o produto é fabricado cá, ou é cá que é feito o assembling dos seus componentes.
Veja-se o caso deste cestinho com figos e amêndoas. Olhando para ele parece mesmo um produto tradicional português! Lendo com atenção a informação disponível ficamos a saber que os figos vêm da Turquia e as amêndoas dos Estados Unidos. Do cesto, por não ser um produto alimentar não sabemos a proveniência - do Oriente certamente!
E é assim que, utilizando o imaginário de "produto tradicional português" se continua a desequilibrar a nossa balança externa...
Chica-espertice? Ou pior do que isso: estarão mesmo as figueiras e amendoeiras do Algarve ao abandono?

3 comentários:

tigusto disse...

Obrigado Margarida por este apontamento! Realmente gostamos muito destas exaltações nacionais mas trabalho de fundo é que não.
José Lemos
http://dequasetudoequasenada.blogspot.com/

BikerSmArruda disse...

Casos mais graves ainda são aqueles em que as "marcas brancas" por serem de companhias Portuguesas embalam produtos de outras proveniência, se não forem produtos alimentares compramos eectivamente gato por Português...

Margarida Pedroso Ferreira disse...

@Biker - tão verdade! O Pingo Doce que faz uma campanha de publicidade a realçar as parcerias q faz com produtores nacionais, li, há dias que num detrminado período, julgo que no 1º semestre, foi o 3º maior IMPORTADOR!
O facto é que como distribuidor tem direito a utilizar o "560" e pode subcontratar a produção seja em Portugal, seja no estrangeiro...