OVOS MOLES revisitados - velhos saberes, novos conceitos

Os ovos moles foram caindo para fora de moda. Por um lado vão contra a maré: o flagelo da obesidade e do excesso de peso, o colestral... de um modo geral este lifestyle que se vai instalando a favor de um estilo de vida saudável... verde, saladas, bróculos, aguinha, e muito desporto!
Mas a felicidade também dá saúde!
Com uma gastronomia gloriosa, os portugueses não esquecerão nunca que o segredo está no EQUILÍBRIO!
Para além destas questões de "modas", existem ícones da nossa gastronomia que vão resvalando para o esquecimento... mas há inovadores que aqui e ali vão revitalizando alguns deles.
O Boc'aboca (ainda por cima um termo de marketing agora muito na "berra": o WoM") aposta na nossa "cultura de mesa". Somos um povo que gosta de comer bem. Não comemos só para viver (que gente infeliz, os que comem por questões meramente "funcionais"...); este princípio, só por si, indicia um enorme espaço para a inovação... já que comer pode ser um ritual, mas os rituais podem ser renovados. Para velhos saberes procuram-se novos conceitos.
Os ovos moles do Boc'aboca têm formatos, cores e até sabores inovadores. Há hóstias coloridas, formatos (tradicionalmente ligados ao universo marítimo de Aveiro) diferentes, nomeadamente sazonais, e recheios de ovos moles "compostos": com, amêndoas, nozes... e o que mais há-de vir.
Varia, é menos doce, mais nutritivo... ou pelo menos mais indulgente - e sobretudo DELICIOSO!

3 comentários:

gutograca disse...

Colesterol não é problema nosso. É problema dos nossos médicos.
E ainda provaremos que tudo isto não passa de uma conspiração criada pelas gigantes do setor de medicamentos...
Ah, como quero que esta "Teoria da Conspiração" seja um dia comprovada.
E viva os sabores.
Mande-me seu e-mail, minha caixa de mail deu "pane total".
Beijos e Abraços, GG

jorge-eo disse...

... Está decidido!
Este ano vou fazer (vou arranjar alguém q me ajude a fazer...) a árvore de natal com estas decorações... Depois comem-se e não ficam "tralhas"...

Beijos

jorge-eo disse...

Faz-me espécie: onde vias tu descobrir estas coisas?