TRENDS 2009 - YOUniche

Vender menos – Ganhar mais
Os nichos de hoje não são uma questão de dimensão. São uma questão de proximidade. Aliás os nichos de hoje são de dimensões muito variáveis...
Quando os mercados se tornam saturados a costumização é a única resposta ao “commodity”. E hoje isso é cada vez mais fácil, já que é cada vez mais possível segmentar com precisão – a informação está toda por aí – é só utilizá-la. Hoje já ninguém quer ser tratado como parte de um mercado massificado, mas sim como um INDIVÍDUO... vai passar a ser cada vez mais lucrativo reter uma base de consumidores menor, mas que por terem uma maior afinidade, estão dispostas a comprar mais, mais vezes e mais caro o nosso produto – mass market is history - no futuro só haverá lugar para produtos de que poucos gostem muito!
O consumidor cada vez mais instruído e informado e com o "espectro" da crise, cada vez menos dependente de estruturas familiares alargadas, vira-se sobre si, torna-se mais hedonista, mais self-indulgent, mais virado para si próprio: O conforto pessoal é o maior símbolo de status a que se aspira.
Esta é a outra face da medalha da globalização é - a antiglobalização as pessoas querem o SEU conforto, sentir-se em família, rodeado de amigos, na intimidade, seguras e a salvo.
Até as grandes marcas estão a agir em “pequeno”, com propostas dirigidas ao INDIVÍDUO e ao seu ambiente familiar (a máquina de cerveja à pressão da Heineken e da Superbock, Nespresso…).
A grande maravilha do sec XXI não é nada mais do que a minha bica Nespresso, no conforto do meu sofá, com 2 amigos em frente à minha lareira (não ter que sair de casa, estacionar o carro, lutar por uma mesa, implorar a atenção de um empregado e sem o barulho do café - isto sim é um luxo...MEU).

1 comentário:

Maria disse...

Bem pensado! como resposta à crise - não havendo dinheiro para os grandes "luxos", ficamos pelos pequenos luxos de todos os dias...