Objectivos Estratégicos ou o elefante cortado às fatias?

A anedota perguntava: como se enfia um elefante num frigorífico? - "cortando-o às fatias!"

É recorrente que os líderes empresariais estabeleçam metas audaciosas. Muitas vezes parecem ser elefantes tão grandes que "esmagam" as equipas. Normalmente o Gestor faz o acompanhamento dos objectivos a atingir, pressionando... Parece real? Parece bem? Sim. Ou talvez não.

Numa conjuntura "de crise" focalizar em objectivos ambiciosos de longo prazo   pode, pela sua tão grande abrangência, desmotivar a equipa - a desconfiança e a desmotivação instalam-se.

E é aqui que se deve, com precisão, cortar o elefante às fatias.

As metodologias de Balanced Score Cards são boas ferramentas para manter muito claro o objectivo para que se caminha, mas com as tarefas e responsabilidades para tal segmentadas em metas mais próximas.
O focus mantém-se, mas centrado naquilo que é para atingir aqui e agora. O passo é o da inspiração à motivação - mantém-se a confiança enquanto se caminha no rumo certo. Da satisfação do passo a passo e das pequenas vitórias em vez do "pânico e confusão" face a um objectivo GRANDE!

O papel do Gestor não é manter-se focalizado nos objectivos estratégicos (estes são óbvios, têm que estar implícitos) -  é delinear as metas para lá chegar e partilhar a confiança que uma a uma vão ser atingidas.

1 comentário:

rui disse...

É pena que os Gestores achem q objectivos são a cenoura atrás da qual os seus "burros" devem correr"... e enquanto isso eles acompanham os resultados e o Profit & Loss - segmentar em metas? small victories? ainda estamos longe...