Público - Aceitamos a diversidade nos restaurantes, na arquitectura. Por que não na escola?

Público - Aceitamos a diversidade nos restaurantes, na arquitectura. Por que não na escola?

Foto de Pedro Cunha, in "Público"
"..para um país como Portugal, o futuro da economia será construído a partir do génio do povo, da sua criatividade em criar novas empresas, novos trabalhos, novas infra-estruturas. A criatividade é o coração de tudo isso, do descobrir novas oportunidades...Todo o crescimento económico tem por base o engenho humano. Quanto mais pudermos inovar, melhor!"

Neste excerto sobre Portugal Ken Robinson, conhecido sobretudo pelas suas ideias inovadoras em relação à educação, descreve os sistemas educativos ocidentais como assentes em conceitos de eficiência como se da indústria automóvel se tratasse... esquecendo "O ELEMENTO" aquele estado em que se juntam as coisas que adoramos fazer com as coisas em que somos bons". É neste ELEMENTO que a criatividade tem o seu terreno. Não em escolas com um clima de medo e desânimo entre os professores (a "Educação" são sobretudo os professores, não o Ministério) e todo um sistema educativo orientado para as estatísticas...  

Como muito se tem falado em Portugal Ken defende também que "o futuro depende da capacidade de inovar, criar novos tipos de emprego, novas oportunidades. É o que a China, Singapura, Hong Kong estão a fazer: investir na criatividade, na inovação, nas novas ideias. A criatividade permite desenvolver a imaginação, dá poder para pensar de maneira diferente."

Sem comentários: